Porventura alguém se lembra que é Natal? Alguém se recorda do ultraje das noites idas, da amnésia universal? Alguém se ergue a olhar as estrelas, a acender cores, pavios, velas, pelas mil almas exauridas, por pensar apenas nelas? Alguém vota a eutanásia da iluminação...